PROFESSOR, VOCÊ É QUEM MANDA EM SALA DE AULA

wpid-fb_img_1447713501331.jpg

O tema desta semana foi estabelecido por inúmeros e-mails que recebi e pelos pedidos dos professores e coordenadores do meu grupo de Consultoria Pedagógica no Facebook e no WattsApp (participe clicando aqui), falaremos sobre a Indisciplina em sala de aula e aqui vamos mostrar algumas estratégias que o professor poderá adotar junto da equipe pedagógica para melhorar o espaço e retirar a pressão. Em muitos e-mails, sempre havia perguntas parecidas como: O professor pode mandar o aluno para fora da sala? Quando o aluno quebra carteiras ou o patrimônio escolar, quem paga? Leia até o final e saiba de tudo. Lembre-se que a sua participação nestes artigos é fundamental. Ao final, não deixe de comentar.

IMG_20150613_085858

Antes de tudo, como falo no meu livro Diário de um Professor, a escola é o reflexo de uma gestão. Se a escola vem sendo alvo de inúmeros exemplos de indisciplina, alguém está falhando e eu, felizmente ou não, culpo a direção escolar e, por conseguinte, resvala no professor. Antes de julgar o meu pensar, acompanhe comigo. Se a direção está jogada e não há ninguém que respalde o professor fora da sala, o aluno saberá disso e o enfrentamento é compulsório. Para o professor se sentir “seguro” em sala é necessário acreditar na direção. Saber que todos estão caminhando juntos para uma única direção: o sucesso do aluno.

Já vi professores sendo agredidos verbalmente e fisicamente, mas o que acontece? A direção vem colocar “panos frios” e ao invés do agredido ir até uma delegacia e fazer um Boletim de ocorrência, ele deixa para lá. Fazendo com que a bola de neve se expanda. O aluno agressor é como marido agressor, uma vez que levanta a voz para um educador e nada acontece, isso se multiplicará e o pior pode acontecer. Por isso culpo a direção! Para terminar o meu argumento sobre a direção, trago aqui exemplo clássico. Já vi professor colocar o aluno para fora da sala e o diretor colocá-lo para dentro e o que acontece? O aluno volta com mais intensidade e confirmará que ali, dentro da sala, quem manda é qualquer um, menos o professor. Lembrando que os demais alunos observam e, isso se multiplica dentro da sala, até o momento que o profissional não conseguirá dar aula e chagamos, também, a outra cena clássica: o professor abandona a sala. Quando chega a este ponto, o professor pode esquecer-se daquela turma, porque controle sobre ela não terá mais. Na verdade, nunca teve! Para concluir, quando o aluno tem respeito pela direção, quando o “ameaçar” de colocá-lo para fora, ele vai repensar em segundos e ficará quieto e, muitas vezes, irá até pedir desculpas.

Mas vamos ao que interessa. Em muitas escolas onde trabalhei e fui consultor educacional, a indisciplina é sempre uma questão levantada. Na verdade, é o “problema” central de muitas escolas. Confirmo que este fenômeno, que não tem uma fórmula para diminui-la ou exonerá-la, é específico de nossa sociedade, tendo em vista que não há mais “valores” sendo trabalhado no núcleo familiar e não há referência específica para que ele, o aluno, siga. A escola, para os alunos virou um meio de conversar e bater papo; para os pais, um lugar para deixar o filho, quanto mais tempo melhor e, para os governantes, um depósito de crianças e adolescentes. Outra situação que agravou a indisciplina em sala é que os pais “deixam” seus filhos com mais liberdade, os mesmos escolhem desde pequenos, o que quer comer, vestir e ir, quando chega na escola e o professor indica o lugar que ele deve sentar, vem o confronto – “nem minha mãe manda em mim, por que você mandará?” – o educador, já cansado de humilhações, revida com nervosismo e o impacto de visões acontece e a agressão se confirma.

Eu já fui agredido verbalmente, mas nunca fisicamente. Trabalhei com crianças e adolescente, este último é a clientela que eu mais me familiarizo, e é a clientela que mais agride professores pelo Brasil. Mas o que eu faço? Como eu diminuo a indisciplina em sala? Em uma escola que trabalhei, os alunos ficavam aglomerados em grupos dentro de sala, mas quando eu apontava à porta, eles imediatamente arrumavam as carteiras e muitos professores me perguntavam como eu conseguia fazer isso. Respondia com muito prazer.

Os estudantes gostam de ser disciplinados. Querendo ou não, quando você vem com visões diferentes, da que eles estão acostumados, vão reclamar, mas no fim, seguem as regras, mas sabe por quê? Por causa do primeiro dia de aula ou das intervenções efetuadas ao longo do ano. Deixo já bem explicitado que ALUNO SABE QUANDO O PROFESSOR CONHECE O SEU CONTEÚDO. A primeira coisa para diminuir a indisciplina é mostrar ao aluno que você é importante para a vida escolar dele, mas não fale isso, mostre com as ações: chegue à sala com a aula totalmente preparada e com curiosidades que possam integrar no conteúdo. Deixe-o perceber que você tem conhecimento e domínio da sua disciplina, caso contrário, ele entenderá que a sua presença não é significante e em sua aula, eles conversarão e muito. Quando o educando proferir que você é “boazinha ou bonzinho” saiba que ele está dizendo que você não é professor ou professora. Em todas escolas onde trabalhei, era chamado de “chato”, mas os alunos me respeitavam por motivo de saber o meu conteúdo e sempre diziam: o senhor explica bem, mas é chato. O chato é aquele que não os deixa fazer o que bem entendem e cobro o que é necessário. Mas para não haver atritos, no primeiro dia de aula, deixo bem claro várias situações:

1º – Sou professor, e não gosto que me chamem por “ou” como muitos estão acostumados ou “tio”.

2º – Ninguém está bem todos os dias, quando não estiverem, por favor, avisem-me, pois não sou “bruxo” e nem “pai Diná” para saber o que está se passando nas nossas vidas. Somos seres humanos e todos os dias acontecem “Ns” coisas. Este dia, eu deixarei em “paz”.

3º – Eu sou professor e meu papel aqui é ensiná-los ou direcioná-los para conseguirem chegar aos sonhos de vocês. Não sou amigo. Sou professor. Mesmo sendo pública a escola, vocês me pagam de forma indireta e cumprirei o meu papel.

4º – Não me enfrente, às vezes, eu sou meio louco. Se eu fizer algo que não os agradou, engula e depois converse comigo. Saiba que professor também é ser humano e erra.

5º – Estou ali para ajudá-los e não para puni-los, mas não sou milagreiro, quem quer, vamos juntos. Quem não quer, vamos juntos só que com mais dor!

Falo sobre tarefas e que eu não coloco aluno para fora, caso ele queira sair, poderá. Não questionarei, mas o mesmo deverá aguentar as consequências.

Lembrando que tudo que é conversado em sala, deverá ser seguido. Custe o que custar! Por isso, ao apresentar suas “normas” converse com o seu coordenador e verifique se a escola está em consonância com o seu “pensar”.

Como pronunciei acima, eu não coloco aluno para fora de sala, mas já fiz isso. Quando isso acontece, saiba que eu sei que terei respaldo da direção em que me engato e é o meu último recurso. Mas, antes de mandá-lo, chamo o inspetor de aluno ou o próprio diretor e peço para que o leve. Assim que possível, farei a Ocorrência escolar e conversaremos juntos.

Agora entenda o processo:

Se eu identificar que o aluno está meio nervoso, não me direciono a ele e não chego perto dele. Caso ele participe das aulas, elogio-o para mostrar que estou o vendo e que o nosso atrito passou.

A escola precisa ter um procedimento para assegurar e “proteger” o professor. A Ocorrência padrão de Advertência é fundamental. Não se manda aluno para fora sem justificativa. Muitos diretores ouvem os alunos, e se não há uma Ocorrência escolar com explicação embasada, quem ficará em “maus lençóis” é você, professor.

 

CLIQUE PARA CONTINUAR LENDO!

Saiba o que o professor, coordenador e diretor podem fazer para ajudar nessa questão. Leia todo o artigo.

xxxxxxxxxx

Tenha acesso na íntegra deste e demais artigos participando do Clube do Prof. Coordenador

Clique aqui e saiba mais

6 MESES

Fique comigo nas redes sociais e leia meus artigos. Para isso, curta a minha página: Se Você quer ACOMPANHAR OS ARTIGOS, clique aqui!

XXXXXXXXX

Você já conhece meu livro – DIÁRIO DE UM PROFESSOR? – Peça o seu livro físico pelo email: escritoralexfranca@bol.com.br ou inbox no Facebook. Vai via correios. Entenda mais os desafios do professor no século XXI.

Ou em ebook

Conheça o livro na Amazon

XXXXXXX

Quer saber como resolver problemas em sua escola? Contrate o professor e escritor.

Juntos por uma Educação de qualidade e uma boa Literatura

%d blogueiros gostam disto: