ARTIGO: A ESCOLA TRANSFORMADORA

A ESCOLA TRANSFORMADORA

Ser professor requer muito amadurecimento e conhecimento do mundo, não basta saber apenas o seu conteúdo, se não saber a melhor estratégia para se alcançar o processo cognitivo de um aluno. Não falo isso me apoiando em pesquisas de campo superficiais que não chegam a relatar a realidade da escola pública, que sofre com a situação econômica do país. Mas embasado em minha vivência, em meus experimentos, pois quem sabe mais que eu em escola pública, ainda não encontrei. Estudei em diversas escolas, chegando a um único ano, mudando de mais de três escolas por questões e razões de foro íntimo.

A verdade é que já vi de tudo. Escola abandonada pela equipe escolar que não acreditava mais no seu poder de transformação, escola com problemas de infraestrutura, escola com problemas de drogas e gangues. Mas apenas me enxerguei em uma escola que fez de mim um aluno importante, não para os outros, mas para mim mesmo. Eu era mais um contado pelo censo e consequentemente previsto pelas estatísticas da criminalidade.

O fato é que nunca gostei de estudar, mas as condições que eu vivia não era vida a ninguém. Não ter um pão no início do dia ou uma comida descente ao final, fez com que me injetasse ânimo, mas como seguir um caminho que não sabia onde iria dar? Como ser alguém bem sucedido se eu era apenas um menino da periferia, que minha magreza alertava para algo errado em minha corrente sanguínea? Como chegar lá? Eram perguntas sem respostas, sem vida e sem futuro.

Então, em 2000 entrei em uma escola chamada: EEPSG, na época era assim, Cid Boucault, que me fez perceber o quanto eu era capaz. Dar protagonismo ao jovem é dar uma vida paralela e fazer com que goste do que sente e ir a busca para ser sempre o principal, e ser isso faz nos refletir que ao final da história seremos felizes.

É por isso que escrevo! A escola transformadora é aquela que dá ferramentas para se construir as respostas das perguntas dadas acima. Não venha me dizer que é exceção o meu caso, pois os alunos não querem nada com nada, porque digo COM MUITA CERTEZA, sempre queremos algo, não importa o quê!

Foi nessa escola que me deram um voto de confiança que sempre pedi com os meus olhos, com as minhas indisciplinas e com os meus choros. Foi naquela escola que aprendi ser alguém, que ser correto significava a primeira porta para um caminho longo, mas positivo.

Como em casa não tinha comida e percebi que a escola estava selecionando voluntários, resolvi tentar. Fui indicado por uma amiga da sala, Suellen e comecei a trabalhar como atendente da biblioteca. Ali foi o primeiro passo de uma reunião de ferramentas que uso até hoje.

Após. Comecei a concorrer ao Grêmio Estudantil e ganhamos por três anos consecutivos, e não ganhamos mais, porque eu mudei. Ser do Grêmio naquela escola foi muito mais do que apenas fazer eleição, como acontece em muitas, foi muita ação. A diretoria nos deu total apoio: realizávamos excursões e, as verbas adquiridas investiam na própria escola. Como a área de leitura, rádio comunitária, jogos e muito mais. Com o Grêmio aprendi a arte da política, que hoje desenvolvo CONSULTORIA POLÍTICA. Com o grêmio, fazia apresentações em escolas municipais com teatros de fantoches e levava grupos de danças criados na escola para se apresentarem, dando valorização aos demais alunos. Com isso só crescia a minha importância na escola e NUNCA imaginei que estas ferramentas, eu levava para a vida. Com a contação de histórias daquela época, fiz no ano passado, indo a escolas municipais e carentes para levar alegria de uma forma lúdica e dinâmica que quando criança não tinha, mas foi adaptada com o tempo.

Peguei a primeira vez em um giz, dando aulas de alfabetização para adulto, sem conhecimento pedagógico, mas como eu devia ser ensinado, tentava passar a eles e muitos anos depois, consegui montar no interior uma classe de alfabetização e muitos terminaram o Ensino Médio. Viu o que uma escola fez comigo.

Não estou dizendo que a escola precisa ver mais o lado social do que o aprendizado, porque dentro da sala eu tinha professores INCRIVILHOSOS, como a Eleonora de Matemática, Marco Antônio de Língua Portuguesa e Cidinha de Geografia. E muitos outros por aqui, mas os professores têm de entender que o seu papel vai além da sala de aula. É um ciclo, se todos agissem assim, mais Alexs se teria e mais transformação aconteceria. Não sou “O CARA”, mas sou um desviado de um sistema falido e de muitos professores sem convicção do seu poder.

Hoje sou professor e com muito orgulho. Já lecionei em diversas escolas particulares e alunos são todos iguais, precisam de ferramentas. Fiz vários projetos multidisciplinares que davam trabalhos, mas ao final consegui alcançar o meu objetivo, que era DAR FERRAMENTAS PARA MULTIPLICAR UMA VIDA MELHOR e mais transformada.

Hoje, já com minha carreira aberta ao público, voltei àquela escola e ao chegar lá, a magia tomou conta de meu coração e a alegria de rever professores e ambientes físicos me fez chorar e ter a certeza que Deus fez a coisa certa comigo. Dei palestras aos alunos e percebi que tinha o mesmo pensar que eu quando adolescentes, mas uma garra oculta que precisava apenas ser engatilhada.

Percebi que a escola continua nas mãos certas, tendo em vista a troca de gestores. Tendo em vista a garra da atual diretora Elaine Alvin e sua equipe que visa transformar um local sem respostas em portas.

Ao final, colocarei algumas fotos de projetos que já realizei com meus alunos e digo, sinceramente, que se você, professor, não confia em seu trabalho, como ensina? É como um vendedor que não acredita no produto que vende, não há verdade e tudo fica de mentira, e o que pode acontecer de tão grave com esta atitude que parece infantil? Uma falta de estrutura cidadã, levando ao aumento da criminalidade, mortalidade e um país quebrado de norte a sul daqui a alguns anos. Então, se não acredita no seu poder, saia da rede. Deixe com que outros façam a mudança e consiga transformar sonhos em portas e paredes para aconchegar seguramente o futuro de nossa nação. Seja um pilar de transformação!

Alex de França Aleluia: Professor, escritor e consultor pedagógico.

Baixe o artigo aqui: A ESCOLA TRANSFORMADORA

Na minha vida de Educador, faço esta lógica. Dando protagonismo ao jovem, sendo ele pobre ou rico e quando eles enxergam isso, consigo atingir o processo cognitivo deles. Abaixo segue algumas fotos de projetos que deram a eles mais confiança em si. Fora que já consegui fazer em uma escola um seriado, mas aí já é uma outra história.

Anúncios

3 opiniões sobre “ARTIGO: A ESCOLA TRANSFORMADORA”

  1. É por isso que a qualidade de ensino hj nas escolas estão precárias: há mtos ensinando e poucos transformando. Uma verdadeira escola transformadora deve ter como exemplo professores e gestores que na prática e em suas vidas sociais sentiram na pele o poder de transformação pela educação. Parabéns pelo artigo.

  2. De repente olho para o passado e me vejo ao lado de seres tão especiais qto vc… a certeza de ter escolhido a profissão certa, onde pude dividir sorrisos e multiplicar alegrias. Momentos que marcaram tanto minha vida, abraços trocados pelos corredores, a emoção que eu sentia ao ver meus alunos apresentando seus trabalhos, a felicidade de cada dia de convivência com todos… Hoje ao ver um aluno vencedor como vc Alex, que traz na alma todo ardor e todo amor pela educação, me dá a certeza do qto tudo valeu a pena e me dá tanta felicidade que chego a chorar de alegria por vc e por todos que fazem a diferença no mundo…. Parabéns meu eterno “lindinho”… vai em frente…. o mundo precisa de vc….te amoooooooooo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s